Open Banking: por um sistema financeiro melhor para todos

homem-utilizando-um-notebook-e-com-um-smartphone-em-uma-das-mãos

Entenda os impactos da tecnologia no dia a dia de clientes e empresas

 

A pesquisa por soluções inovadoras no setor financeiro ficou ainda mais intensa em 2020. Bancos, fintechs e instituições do ecossistema se desdobram para disponibilizar produtos e aplicativos mais eficientes e intuitivos, e que realmente atendam às exigências dos clientes contemporâneos.

 

Todo esse esforço resulta em novidades cada vez mais integradas ao cenário econômico nacional, como o PIX. O novo sistema de pagamentos instantâneos, desenvolvido pelo Banco Central do Brasil, tem o objetivo de mudar a maneira de fazer e receber transferências financeiras.

 

Esse contexto de transformações e de oportunidades ficará ainda mais empolgante com o lançamento do Open Banking, um conjunto de tecnologias que chega para trazer transparência e agilidade, e propiciar um sistema financeiro melhor e mais competitivo para clientes e empresas.

 

Mas o que é o Open Banking?

 

Open Banking é um novo formato de operações do setor financeiro, elaborado a partir de um simples conceito: o cliente é o dono de suas informações. Portanto, cabe a ele — e não às instituições — decidir sobre o compartilhamento de seus dados com diferentes empresas, quando e como quiser.

 

Com esse entendimento, plataformas e sistemas integrados serão estruturados para padronizar e facilitar a comunicação do ecossistema. Uma vez que o consumidor peça a portabilidade de seus dados bancários, o Open Banking agiliza o processo, ou seja, movimenta as informações de um banco para o outro, sem demora e com segurança.

 

Após debates avançados em outros países, o Open Banking também ganha força no Brasil. O blog da BluPay compartilha com você mais sobre as vantagens para clientes e empresas, e o calendário de etapas do lançamento. Os temas do post são:

 

  • Independência e comodidade para os clientes;
  • Oportunidades para bancos, fintechs e instituições financeiras;
  • Calendário e regras do Open Banking.

 

Independência e comodidade para os clientes

 

Você se lembra como algumas operações bancárias eram burocráticas? Felizmente, aos poucos as longas filas e as muitas cópias de documentos foram substituídas pelo digital, com facilidade e conforto. O Open Banking é a próxima etapa na construção de um padrão mais simples e integrado às atuais necessidades dos consumidores.

 

Quer saber como isso será útil? Um exemplo simples: uma pessoa começa um empréstimo e, meses depois, descobre que outra instituição disponibiliza o mesmo serviço, com juros reduzidos. Então, é aí que as vantagens dessa tecnologia começam. Com o Open Banking, será muito mais fácil para o cliente solicitar a migração de um banco para o outro.

 

No novo formato, o interessado autoriza o banco a acessar o seu registro de informações financeiras, compartilhando o seu histórico sem a necessidade de ações mais complexas, como a abertura de uma conta. Após a confirmação da instituição, o consumidor transfere o empréstimo de maneira veloz e segura, e consegue aproveitar as condições oferecidas.

 

A possibilidade de conquistar novos clientes deve levar as instituições financeiras à estruturação de produtos mais competitivos, fomentando um ambiente repleto de benefícios aos usuários.

 

Integrações rápidas e simples

 

Outro aspecto positivo é a integração de informações a diferentes plataformas. Afinal, os participantes do Open Banking devem abrir as opções e funcionalidades disponíveis em seus aplicativos (essa tecnologia é intitulada APIs), e permitir a comunicação entre eles.

 

É possível, por exemplo, conectar dados bancários a ferramentas de gerenciamento de despesas. Assim, essas plataformas compilam automaticamente os registros do usuário, como gastos e pagamentos, atualizando as informações em tempo real, desde que o cliente autorize.

 

As possibilidades do Open Banking são abrangentes e podem envolver diferentes produtos, como a contratação de seguros e de previdência complementar aberta, investimentos e até operações de câmbio. Em todos esses cenários, a tecnologia impulsiona a competitividade entre as empresas. 

 

Apoiado por um expressivo ecossistema de fintechs e com inovações como o PIX, o Open Banking deve resultar em mais economia e agilidade para os clientes.

 

Oportunidades para bancos, fintechs e instituições financeiras

 

As soluções digitais deixaram o setor mais flexível e rápido, e essas mudanças são parte da nossa rotina. O Open Banking é a continuação das adaptações do segmento e suas ferramentas também trazem novas oportunidades para empresas do setor financeiro.

 

A otimização de processos e a observação de informações sobre os clientes — desde que autorizada — promoverá o desenvolvimento de produtos personalizados para diferentes perfis. Detalhes sobre compras, crédito e contratações vão ajudar na elaboração de serviços mais interessantes ao público.

 

Colaboração no ecossistema financeiro

 

Outra facilidade do Open Banking é a colaboração entre instituições financeiras de diferentes portes. Por um lado, bancos com ampla estrutura podem concentrar esforços em suas atividades principais e integrar outros serviços às empresas parceiras, diminuindo despesas com TI. Para as fintechs, a atuação com os bancos também ajuda no desenvolvimento de novos produtos.

 

O Open Banking impulsiona um cenário econômico de mais cooperação entre os diferentes players, com muitas possibilidades.

 

Calendário e regras do Open Banking

 

O Banco Central estabeleceu seus objetivos para o Open Banking: incentivar a inovação; promover a concorrência; aumentar a eficiência do Sistema Financeiro Nacional e do Sistema de Pagamentos Brasileiro; e promover a cidadania financeira.

 

A expectativa para o lançamento do Open Banking no Brasil aumentou em maio deste ano, quando o Banco Central divulgou o cronograma dividido em quatro etapas. Veja as datas:

 

  • Etapa 1: acesso do público às informações sobre as instituições participantes do Open Banking (até 30 de novembro de 2020);

 

  • Etapa 2: compartilhamento de informações de cadastro dos clientes entre instituições participantes, quando aprovado (até 31 de maio de 2021);

 

  • Etapa 3: compartilhamento de serviços de pagamentos e de propostas de operações de créditos entre instituições participantes (até 30 de agosto de 2021);

 

  • Etapa 4: ampliação do escopo de informações para a adição de serviços como seguros, câmbio, previdência complementar aberta e investimentos (até 25 de outubro de 2021).

 

Como serão estabelecidas as regras para o Open Banking?

 

As regras para as operações do Open Banking foram divididas em dois formatos: a regulação e a autorregulação.

 

Na regulação, estão as solicitações do Banco Central, como exigir que as empresas designem um diretor responsável pelo compartilhamento de informações, para trazer mais segurança às operações.

 

A autorregulação compreende as atribuições sob responsabilidade das empresas. São elas que definirão o padrão tecnológico utilizado no sistema, que ainda está em construção.

 

Nós, da BluPay, estamos atualizados com as novidades do setor. As plataformas e soluções da BluPay vão trazer ainda mais vantagens para empresas e clientes com o Open Banking. Visite o site: https://blupay.com.br/